28/07/2020 - Pequeno Expediente Yglésio Moises

Yglésio Moises

Aniversário: 19/09
Profissão: Médico

Discurso - download do áudio



O SENHOR DEPUTADO DR. YGLÉSIO (sem revisão do orador) - Bom dia, Senhor Presidente, bom dia a todos e todas. Eu vim falar sobre alguns incidentes, alguns muito felizes e alguns muito tristes, de fato, em relação ao exercício da atividade policial no Maranhão, primeiro, eu queria congratular os soldados Cleiton e Eduardo Cipião, que salvaram recentemente, na região de Imperatriz, de um acidente trágico de carro, uma adolescente de 17 anos e uma criança de três anos de idade. Lamentar pela abordagem em Balsas, que vitimou o Rodolfo, um estudante de Direito, na MA-147, que foi confundido com um assaltante e que teve seu corpo baleado, alega ter recebido deitado já um tiro no seu rosto, que o marcou, e o pior, um tiro a longa distância que lhe fez perder um dos testículos, por conta da ação equivocada. Mas o que a gente trouxe aqui para esse pronunciamento, é um fato que aconteceu já alguns meses, mas que mostra que há uma organização dentro da polícia militar, no caso do seu comandante-geral, marcada pelo machismo, e eu vou explicar aqui o que aconteceu. Policiais femininas, recentemente, foram submetidas a uma sindicância, uma sindicância por conta de um vídeo, Presidente, no aplicativo Tic Tok, que é uma rede social direcionada, principalmente para a diversão, para os momentos leves, para os momentos descontraídos do dia a dia. Essas PMs, por conta desse vídeo, foram submetidas a uma sindicância que, por sinal, foi vazada pela própria estrutura da corporação, responsabilidade do comandante-geral, Coronel Pedro Ribeiro, e para nós é uma tristeza muito grande, porque há uma necessidade de renovação do padrão de comportamento, de tratamento junto ao efetivo da força policial do Maranhão, a primeira coisa que cabe destacar, e que essas policiais, em momento algum, utilizaram vestes civis inadequadas, não estavam nuas, não estavam fazendo exibições de seus corpos, a única coisa que foi colocada, foi a exibição natural da feminilidade de uma mulher, e policiais também são mulheres, como policiais também são homens, e vários eventos aconteceram, muitas vezes, aqui no Maranhão, situações bem graves, que não foram colocadas como sindicância. Pode projetar, por favor, o vídeo? Eu vou mostrar aqui para V. Ex.ªs um fato, aqui é o vídeo das PMs, que foi tão criticado pelo Comando da PM, vítima inclusive de uma sindicância, não tem qualquer irregularidade nesse traje, nenhum desrespeito ao traje policial, tem pessoas aqui mostrando que são pessoas normais, que tem vidas, quando acaba o seu expediente, pessoas que, mães, muitas vezes acumulam jornadas duplas, triplas, de trabalho, e se dividindo, e nenhum tipo de irregularidade, mas aí nós vamos mostrar o próximo vídeo, aqui, em 2018, um oficial do alto comando da Polícia Militar, subiu em um palco, com um fuzil para cantar, visivelmente, ali com sinais clínicos de alteração do humor, por conta de alcoolemia, e não houve nenhum tipo de sindicância, ou seja, isso aqui teve muito menos impacto do ponto de vista disciplinar, do que um vídeo como aquele ali, pode interromper, por favor. A gente percebe claramente, que nada mais é do que um sinal evidente de machismo dentro da corporação e não há por que se continuar com isso. A minha preocupação com sindicâncias, são as sindicâncias que as policiais militares, mulheres, sofrem de assédio moral, assédio sexual, vítimas, inclusive, casos de violências que apareceram recentemente e a gente não tem notícia de sindicância vazada, deputado Ariston, pelo comandante-geral da PM. Para mim, isso aqui é uma vergonha, isso aqui parece uma coisa pequena, mas, quando a gente analisa o que tem por trás, é uma vergonha. A PM hoje tem um comando que seja capaz, não apenas, não apenas, de iniciar um procedimento como esse, mas de ser responsável pelo vazamento dele depois do que já havia um mandado de segurança concedido para que fosse suspensa a sindicância. Houve abuso de poder, desproporcionalidade na medida, desvirtuamento da verdade fática, por parte do comandante da Polícia Militar, porque ele atribuiu a palavra “inatividade” para tentar malversar o estatuto dos policiais militares do Maranhão. Inatividade militar é aposentadoria, já tem ou não exercício da função por determinado motivo. Isso aí já é um entendimento pacificado da leitura do estatuto. Foi prestado informação falsa sobre procedimento policial, fiscal, administrativo. Um completo absurdo a quantidade de crimes cometidos pelo mais alto oficial da tropa da Polícia Militar do Maranhão. É por isso que há uma onda de insatisfação, há uma onda de insatisfação das mulheres, dos praças, dos oficiais de bom senso, dentro da corporação, que não conseguem tolerar, em pleno século XXI, esse tipo de conduta pelo Comandante-Geral da Polícia Militar do Maranhão, era essas as nossas palavras.

+ Notícias
banner-ouvidoria
banner-whatsapp

ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DO ESTADO DO MARANHÃO

Palácio Manuel Beckman - Av. Jerônimo de Albuquerque - Sítio do Rangedor - Calhau
São Luis - Maranhão - CEP: 65071-750

TELEFONES ÚTEIS

(98) 3269-3000 | 3269-3001

AGÊNCIA ALEMA